O Fruto da Perseverança.

2 Coríntios 4:1-18  ” Portanto, visto que temos este ministério pela misericórdia que nos foi dada, não desanimamos. Antes, renunciamos aos procedimentos secretos e vergonhosos; não usamos de engano nem torcemos a palavra de Deus. Pelo contrário, mediante a clara exposição da verdade, recomendamo-nos à consciência de todos, diante de Deus. Mas se o nosso evangelho está encoberto, para os que estão perecendo é que está encoberto. O deus desta era cegou o entendimento dos descrentes, para que não vejam a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus. Pois não nos pregamos a nós mesmos, mas a Jesus Cristo, o Senhor, e a nós como escravos de vocês, por amor de Jesus. Pois Deus que disse: “Das trevas resplandeça a luz”, ele mesmo brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo. Mas temos esse tesouro em vasos de barro, para mostrar que este poder que a tudo excede provém de Deus, e não de nós. De todos os lados somos pressionados, mas não desanimados; ficamos perplexos, mas não desesperados; somos perseguidos, mas não abandonados; abatidos, mas não destruídos. Trazemos sempre em nosso corpo o morrer de Jesus, para que a vida de Jesus também seja revelada em nosso corpo. Pois nós, que estamos vivos, somos sempre entregues à morte por amor a Jesus, para que a sua vida também se manifeste em nosso corpo mortal. De modo que em nós atua a morte; mas em vocês, a vida.
Está escrito: “Cri, por isso falei”. Com esse mesmo espírito de fé nós também cremos e, por isso, falamos, porque sabemos que aquele que ressuscitou ao Senhor Jesus dentre os mortos, também nos ressuscitará com Jesus e nos apresentará com vocês. Tudo isso é para o bem de vocês, para que a graça, que está alcançando um número cada vez maior de pessoas, faça que transbordem as ações de graças para a glória de Deus. Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão produzindo para nós uma glória eterna que pesa mais do que todos eles.
Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno. ”

O apóstolo Paulo escreveu muitas vezes sobre a perseverança. Ele exortou os cristãos a não se cansarem de seguir a Cristo e fazerem o bem, mesmo quando perseguidos. Por que? Porque no tempo certo, a  fidelidade deles em plantar as sementes   iria  produzir uma surpreendente colheita .

Se alguém sabia o que estava falando  era Paulo. Ele havia sido espancado, apedrejado, chicoteado, e expulso de cidades. Havia sobrevivido a motins, naufrágios, doenças e abandono. Tinha mil razões para desanimar e querer desistir, mas  sabia que sua obediência a Deus não seria em vão. Poderíamos  então comentar: não parece  que ele tenha colhido muito, foi perseguido, mudou-se de prisão em prisão e, finalmente, executado. Mas se acharmos que as recompensas vêm apenas em termos materiais, perdemos uma poderosa verdade.

Consideremos a colheita incrível que realmente resultou da fidelidade do apóstolo. O evangelho se espalhou pelo Império Romano, e a igreja primitiva cresceu muito além do mundo judaico. As sementes plantadas por Paulo escrevendo suas epístolas resultaram em milhares de milhões de vidas radicalmente alteradas. A força que tiramos dessas cartas é fruto das dificuldades que ele sofreu. Quando ele pediu aos cristãos para  não se cansarem  de  obedecer ao Senhor, ele não sabia a extensão do impacto que sua vida teria. Ele só acreditava no poder da fé.

Você pode perceber o quão impactante é a sua vida? Não se deixe enganar pela mentira de Satanás de que o seu sofrimento ou obediência equivale a nada. Aqui está a verdade: a tua fidelidade a Deus nunca vai para o lixo - irá fazer uma diferença eterna na vida de alguém, independente de você saber ou não .

Dr. Charles Stanley

Share
Posted in reflexao by agnes at February 29th, 2012.
Tags: