A Dolorosa Libertação.

Romanos 10:17   “De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.

Para nos mantermos firmes na fé, o foco precisa ser em quem Deus é,  livrando Deus de ter que nos mostrar o que Ele pode fazer. Hoje iremos ver o tipo de fé que age. Será que podemos perceber que  a verdadeira fé sempre é seguida de ação? O significado da palavra grega pistis significa “acreditar em Deus”.  Agora vamos compartilhar outra definição para essa palavra: “  termo técnico indicativo dos meios de apropriar-se do que Deus tem  em Cristo  para o homem, resultando na transformação do caráter do homem e do seu modo de vida.”

Em termos simples, a fé transforma o caráter. Revela! Você  vai reconhecer rapidamente uma pessoa de fé! Nosso caráter cristão é dramaticamente ditado pela medida da nossa fé.

Atos 27: 1-44  ”Quando ficou decidido que navegaríamos para a Itália, Paulo e alguns outros presos foram entregues a um centurião chamado Júlio, que pertencia ao Regimento Imperial. Embarcamos num navio de Adramítio, que estava de partida para alguns lugares da província da Ásia, e saímos ao mar, estando conosco Aristarco, um macedônio de Tessalônica. No dia seguinte, ancoramos em Sidom; e Júlio, num gesto de bondade para com Paulo, permitiu-lhe que fosse ao encontro dos seus amigos, para que estes suprissem as suas necessidades. Quando partimos de lá, passamos ao norte de Chipre, porque os ventos nos eram contrários. Tendo atravessado o mar aberto ao longo da Cilícia e da Panfília, ancoramos em Mirra, na Lícia. Ali, o centurião encontrou um navio alexandrino que estava de partida para a Itália e nele nos fez embarcar. Navegamos vagarosamente por muitos dias e tivemos dificuldade para chegar a Cnido. Não sendo possível prosseguir em nossa rota, devido aos ventos contrários, navegamos ao sul de Creta, defronte a Salmona. Costeamos a ilha com dificuldade e chegamos a um lugar chamado Bons Portos, perto da cidade de Laséia. Tínhamos perdido muito tempo, e agora a navegação se tornara perigosa, pois já havia passado o Jejum. Por isso Paulo os advertiu: “Senhores, vejo que a nossa viagem será desastrosa e acarretará grande prejuízo para o navio, para a carga e também para as nossas vidas”. Mas o centurião, em vez de ouvir o que Paulo falava, seguiu o conselho do piloto e do dono do navio. Visto que o porto não era próprio para passar o inverno, a maioria decidiu que deveríamos continuar navegando, com a esperança de alcançar Fenice e ali passar o inverno. Este era um porto de Creta, que dava para sudoeste e noroeste.
Começando a soprar suavemente o vento sul, eles pensaram que haviam obtido o que desejavam; por isso levantaram âncoras e foram navegando ao longo da costa de Creta. Pouco tempo depois, desencadeou-se da ilha um vento muito forte, chamado Nordeste. O navio foi arrastado pela tempestade, sem poder resistir ao vento; assim, cessamos as manobras e ficamos à deriva. Passando ao sul de uma pequena ilha chamada Clauda, foi com dificuldade que conseguimos recolher o barco salva-vidas. Levantando-o, lançaram mão de todos os meios para reforçar o navio com cordas; e temendo que ele encalhasse nos bancos de areia de Sirte, baixaram as velas e deixaram o navio à deriva.
No dia seguinte, sendo violentamente castigados pela tempestade, começaram a lançar fora a carga. No terceiro dia, lançaram fora, com as próprias mãos, a armação do navio. Não aparecendo nem sol nem estrelas por muitos dias, e continuando a abater-se sobre nós grande tempestade, finalmente perdemos toda a esperança de salvamento. Visto que os homens tinham passado muito tempo sem comer, Paulo levantou-se diante deles e disse: “Os senhores deviam ter aceitado o meu conselho de não partir de Creta, pois assim teriam evitado este dano e prejuízo. Mas agora recomendo-lhes que tenham coragem, pois nenhum de vocês perderá a vida; apenas o navio será destruído.
Pois ontem à noite apareceu-me um anjo do Deus a quem pertenço e a quem adoro, dizendo-me: ‘Paulo, não tenha medo. É preciso que você compareça perante César; Deus, por sua graça, deu-lhe as vidas de todos os que estão navegando com você’. Assim, tenham ânimo, senhores! Creio em Deus que acontecerá do modo como me foi dito. Devemos ser arrastados para alguma ilha”. Na décima quarta noite, ainda estávamos sendo levados de um lado para outro no mar Adriático, quando, por volta da meia-noite, os marinheiros imaginaram que estávamos próximos da terra. Lançando a sonda, verificaram que a profundidade era de trinta e sete metros; pouco tempo depois, lançaram novamente a sonda e encontraram vinte e sete metros. Temendo que fôssemos jogados contra as pedras, lançaram quatro âncoras da popa e faziam preces para que amanhecesse o dia. Tentando escapar do navio, os marinheiros baixaram o barco salva-vidas ao mar, a pretexto de lançar âncoras da proa. Então Paulo disse ao centurião e aos soldados: “Se estes homens não ficarem no navio, vocês não poderão salvar-se”. Com isso os soldados cortaram as cordas que prendiam o barco salva-vidas e o deixaram cair. Pouco antes do amanhecer, Paulo insistia que todos se alimentassem, dizendo: “Hoje faz catorze dias que vocês têm estado em vigília constante, sem nada comer. Agora eu os aconselho a comerem algo, pois só assim poderão sobreviver. Nenhum de vocês perderá um fio de cabelo sequer”. Tendo dito isso, tomou pão e deu graças a Deus diante de todos. Então o partiu e começou a comer. Todos se reanimaram e também comeram algo. Estavam a bordo duzentas e setenta e seis pessoas. Depois de terem comido até ficarem satisfeitos, aliviaram o peso do navio, atirando todo o trigo ao mar. Quando amanheceu não reconheceram a terra, mas viram uma enseada com uma praia, para onde decidiram conduzir o navio, se fosse possível. Cortando as âncoras, deixaram-nas no mar, desatando ao mesmo tempo as cordas que prendiam os lemes. Então, alçando a vela da proa ao vento, dirigiram-se para a praia. Mas o navio encalhou num banco de areia, onde tocou o fundo. A proa encravou-se e ficou imóvel, e a popa foi quebrada pela violência das ondas. Os soldados resolveram matar os presos para impedir que algum deles fugisse, jogando-se ao mar. Mas o centurião queria poupar a vida de Paulo e os impediu de executar o plano. Então ordenou aos que sabiam nadar que se lançassem primeiro ao mar em direção à terra. Os outros teriam que salvar-se em tábuas ou em pedaços do navio. Dessa forma, todos chegaram a salvo em terra. ”

-O que Paulo conta sobre a viagem?_________________________________

-Quem o centurião ouviu?_______________________________________

- Depois do vento forte, chamado Nordeste, o que aconteceu com o barco?_______

- Descreva as condições do barco e da tripulação quando Paulo falou._________

-O que Deus disse a Paulo através do anjo (Atos 27:23-24)?

(   ) Deus pouparia a vida de todos no barco   (   ) Metade dos passageiros morreriam   (   ) O mercado de ações subiria.

-Em que se baseou Paulo para ter certeza do futuro da viagem (Atos 27:25)?

(   ) uma visão na noite   (   ) Fé em Deus   (   ) Confiança na habilidade do comandante   (   )Melhora do tempo

- Qual o aviso que Paulo deu  em Atos 27:26? ___________________________

- Em que dia Paulo animou a tripulação a comer e se fortalecer?  (   ) 3ºdia   (   ) 14º dia   (   ) 27ºdia

- Quantas pessoas estavam no barco?_____________________________

- O que fizeram quando terminaram de comer? _______________________

- O que a tripulação decidiu fazer ( Atos 27:39; compare v.26)?___________

- Por que os soldados não permitiram que se matassem os prisioneiros?

(   ) Os soldados estavam ocupados salvando a si mesmos. (   ) O centurião queria poupar a vida de Paulo.

- Que tipo de recepção a tripulação recebeu em Malta (Atos 28:1-2)?___________

VERDADES QUE SE APRENDE COM O NAUFRÁGIO DE PAULO:

1. Sentimentos ou percepções não podem ser base para a fé, mesmo numa vida cheia do Espírito.

Compare Atos 27:10 e 27:24. Repare que o discernimento de Paulo não foi inteiramente correto. O que estava indo acontecer e o que realmente aconteceu foram 2 coisas diferentes. Seus sentimentos foram baseados no que ele podia ver. Apesar do desconforto , nenhuma vida foi perdida como Paulo havia dito. Uma das razões porque muitas pessoas se ”  desapontam com Deus” é porque tratam seus sentimentos como fatos. Entretanto, como podemos ver, os sentimentos de Paulo não convenceram porque estava cego pelos fatos.

2. Fé vem de ouvir!

Repare que a fé vem do ouvir a Palavra de Deus que foi falada. Antes dele ouvir de Deus, Paulo não achava que tudo iria bem, até pelo contrário, ele achava exatamente o oposto.

Paulo também não achou que todas as promessas que Deus tinha feito poderiam ser aplicadas a ele nesse momento de necessidade. A Palavra de Deus nos cobre com um maravilhoso cobertor de promessas, que será sempre  verdade para nós ( Ele nunca nos deixará; Ele vai voltar; Ele irá trabalhar em tudo para o nosso bem), mas muitas promessas de Deus são para determinados tempos, situações e pessoas.

A Palavra de Deus é sempre verdadeira; Deus sempre cumpre Suas promessas, Ele se reserva o direito de aplicar a Sua palavra como desejar. Devemos buscar o coração de Deus para sabermos se  uma promessa é particularmente nossa para  determinado momento. Deus providencia a Sua palavra para que possamos reinvindicar e a nossa fé entrar em ação.

Paulo escolheu a fé. Tudo que ele podia ver e sentir  gritava morte e desastre, mas a grande realidade para Paulo era o que ele não podia ver.

Se conhecermos Deus, saberemos que a Sua Palavra se aplica exatamente a nossa situação, então ACREDITE! Se não vier a certeza, continue buscando ao Senhor até que venha. O melhor caminho para se conhecer a  Deus é através da Sua Palavra! Paulo tinha  uma  fé firme no meio de um caminho de pedras porque Ele ouviu e respondeu a Palavra de Deus! Deus é perfeitamente capaz de falar acima dos ventos e das mares. Ele pode acalmar as ondas e o vento como fez com os discípulos, ou pode guiá-los ,através delas, como fez com Paulo. De qualquer maneira, continue ouvindo -  até que a Sua Palavra se torne viva e verdadeira.

3.  O livramento de Deus pode vir até através do barco “encalhado”.

Atos 27:26 Devemos ser arrastados para alguma ilha”

Deus prometeu livramento, mas  podemos ” encalhar”. Livramento não significa facilidade. Pode ser simples ou dolorido, ou o livramento de Deus pode ser até  uma das mais cruciais situações que já tenhamos vivido. Deus nos livra de traumas da infância, mas determinados livramentos são extremamente difíceis. Dificuldade não significa necessariamente desastre. Ventos fortes e mar agitado não significam que estamos no curso errado.Podem significar também que estamos bem no alvo. Falando para quem crê, celebremos o fato de que podemos, em momentos da nossa vida,  ”encalhar” na ilha da vontade de Deus! Pode ser que de outra maneira Deus não consiga nos levar onde Ele deseja, e  como Paulo, devemos “encalhar” para o bem da tripulação que está conosco!

4. Deus sempre tem o nosso destino em mente .

Deus  tem um lugar da bondade, calor e de alívio. O lugar onde, uma vez que temos sido fiéis a quem Ele é, Ele irá mostrar o que Ele pode fazer. A ilha de Malta, onde foi parar a tripulação de Paulo, foi um lugar de milagres, lugar de cura e lugar de suplicação. As ondas podem ser fortes e podemos ter que jogar algumas coisas ao mar para não afundarmos, mas se crermos, Deus providenciará o  livramento, mesmo bem no meio do Plano B. Se somente liberarmos Deus de nossas noções preconcebidas, poderemos ver os milagres acontecerem.! Nossos olhos precisam ser abertos para muito mais! Contemplar um milagre é ver Deus fazer algo que só Ele pode fazer!

Podemos ser agradecidos por saber, que durante tempos quando ignoramos o Seu conselho ,  fomos direto para um tempestade, mas ainda foi possível encalhar na vontade de Deus. Ouça e creia.

- Descreva o tempo em que Deus permitiu que “encalhasse”._______________

Uma sugestão para a sua próxima caminhada: faça uma caminhada de oração. Dê um passeio pela rua, no parque ou apenas em volta de um jardim ou outro lugar onde está acostumada a andar… Conforme estiver andando, fale com Deus. Agradeça a Ele pelos tempos em que Ele te levou dentro da Sua vontade apesar dos sua vontade ser outra. Abra seu coração! Desejaria estar com vocês! Que lindo!

Share
Posted in biblia, estudo by agnes at September 10th, 2012.
Tags: ,