Os olhos de Deus estão sobre nossos filhos.

Ensinamos nossos filhos a Bíblia… mas eles deixaram Deus. O que aconteceu? Pensamos:  se os ensinarmos na Palavra de Deus, não se afastarão Dele. Não é isso que a Bíblia diz?

Provérbios 22:6   “Ensina o menino no caminho em que deve andar,E quando ele for velho não se desviará dele. “

Tenha cuidado com este versículo. Não o interprete dessa forma : “Se eu colocar meus filhos no caminho certo, nunca irão deixá-lo. Se eu enchê-los  das Escrituras,  dos ensinamentos bíblicos e sermões, eles podem se rebelar, mas eles acabam retornando. ”

O Provérbio não faz essa promessa. A salvação é uma obra de Deus. Pais piedosos podem preparar o solo e semear a semente, mas Deus dá o crescimento.

 1 Coríntios. 3:6 “Pois nós somos cooperadores de Deus; vocês são lavoura de Deus e edifício de Deus. “

Mães e pais amolecem corações, mas não podem controlá-los.

Mostre-lhes o caminho? Sim.

Forçá-los a tomar o caminho? Não

Em momentos cruciais da minha vida, com as muitas opções que o mundo oferece,   cheguei  até mesmo a dar alguns passos errados, mas uma coisa que sempre me trouxe de volta, foi uma  bússola interior mostrada pelos  meus pais que amavam a Cristo .

 Os olhos de Deus nunca irão abandonar um filho.. Um filho pode virar as costas para Deus ou tentar se  esconder de sua vista. Mas sair da visão de Deus?Impossível. Deus está de olho em todos os seus filhos.

O Espírito Santo vai seguir o seu filho em todas as estradas, mesmo que o caminho seja para baixo, seja num  beco escuro, num beco sem saída e sempre irá lembrá-lo da fundação  que você lhe mostrou para que pegue a estrada de casa.

Podemos compartilhar este versículo com os pais dos filhos pródigos ( filhos que se afastaram do Senhor). É importante não nos esquecermos!

 Isaías 59:21 “Quanto a mim, esta é a minha aliança com eles”, diz o Senhor. “O meu Espírito que está em você e as minhas palavras que pus em sua boca não se afastarão dela, nem da boca dos seus filhos e dos descendentes deles, desde agora e para sempre”, diz o Senhor.

Max Lucado

Share
Postado por Agnes nas categorias reflexao em May 29th, 2012. No Comments.

Tragédia na Igreja

Mateus 5:14-15 “Vocês são a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade construída sobre um monte.
E, também, ninguém acende uma candeia e a coloca debaixo de uma vasilha. Pelo contrário, coloca-a no lugar apropriado, e assim ilumina a todos os que estão na casa. ”

A cada domingo inúmeras pessoas em todo o mundo sentam-se em edifícios de igrejas com uma falsa sensação de segurança. Eles acham que  a sua moralidade, a sua participação como  membros de uma igreja por  toda a vida ou serem   batizados vão lhes dar um lugar no céu. Embora muitas dessas pessoas tenham o  desejo sincero de agradar a Deus, elas estão confusas sobre o que é realmente a vida cristã . Eles pensam em termos de fazer ao invés de ser. Então, eles se limitam as ações de bons cristãos: ir a um serviço semanal, orar, ler a Bíblia, e tentar ser pessoas decentes.
No entanto, a salvação não é o produto de boas obras. Nós viemos ao mundo com uma natureza corrupta, e todos os erros nascem de um coração que se afastou do Senhor. Porque somos pecadores,  pecamos. É muito simples. A boa notícia é que, na experiência da salvação, temos uma natureza totalmente nova.

Coríntios 5:17   “Se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas! “

Nosso pecado é apagado, porque Jesus Cristo se sacrificou por nós. A partir do momento em que  confiamos Nele e  o Espírito Santo vem habitar em nosso coração, passamos a viver em retidão.
O mundo valoriza a ação, mas o Pai, prioriza a relação - especificamente uma relação correta com Ele. As pessoas que fazem alarde sobre   a sua   religiosidade estão perdendo a intima ,profunda satisfação e alegria do verdadeiro relacionamento com o  Senhor.
Podemos ajudar a transformar esse mal-entendido trágico em triunfo  estando prontos a explicar por que temos esperança.

1 Pedro3:15   “Antes, santifiquem Cristo como Senhor no coração. Estejam sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês. “

Falar da relação pessoal com Cristo só é possível para aqueles que admitiram  a sua necessidade e confiança no Salvador.

Se a sua luz brilhar, vai refletir e a igreja vai brilhar também.

Dr. Charles Stanley

Share
Postado por Agnes nas categorias reflexao em May 18th, 2012. 1 Comment.

“Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome ” (Sl 23:3)

Deus está planejando uma festa – uma festa para festa nenhuma botar defeito. Não uma festinha de biscoitos, mas um banquete. Não risadinhas e bate-papo na sala de conferências, mas olhos arregalados de admiração na sala do trono de Deus.

Sim, a lista de convidados é impressionante. Sua pergunta para Jonas: como foi sofrer nas entranhas de um peixe? Você prefere interrogá-lo. Porém mais impressionante que os nomes dos convidados é a natureza deles. Nada de egos, nada de poderio. Culpa, vergonha e tristeza serão detidas no portão. Doenças, morte e depressão serão a Peste Negra de um passado distante. O que hoje vemos diariamente, lá nunca mais veremos.

E o que hoje enxergamos de modo vago, lá, enxergaremos claramente. Veremos a Deus. Não pela fé. Não através dos olhos de Moisés, ou de Abraão, ou de Davi. Não por meio das Escrituras, ou do por do sol, ou das chuvas de verão. Veremos não o trabalho ou as palavras de Deus, mas Ele mesmo! Ele não é o anfitrião da festa; Ele é a própria festa. A sua bondade é o banquete. A sua voz, a música. O seu resplendor é a luz, e o seu amor o tema infinito da discussão.

Há apenas um empecilho. O preço da admissão é um tanto alto. Para comparecer à festa, você precisa ser justo. Não bom. Não decente. Não um contribuinte ou um devoto.

Os cidadãos dos céus são justos. RETOS.

Todos nós, ocasionalmente, fazemos o que é certo. Uns poucos fazem, predominantemente, o que é certo. Mas, algum de nós faz sempre o que é certo? De acordo com Paulo, não. “Não há um justo, nem um sequer”(Rm 3:10).

Paulo é duro quanto a isto. Ele continua dizendo, “Não há quem faça o bem, não há nem um só (Rm 3:12).

Alguém pode discordar. “Não sou perfeito, mas sou melhor que a maioria. Tenho me portado bem. Não quebro as regras. Não parto corações. Ajudo as pessoas. Gosto das pessoas. Comparado a outros, acho que posso dizer que sou uma pessoa justa.”

Costumava tentar isto com minha mãe. Ela me dizia que o meu quarto não estava limpo, e eu lhe pedia para vir comigo ao quarto do meu irmão. O dele estava sempre mais bagunçado que o meu. “Veja, meu quarto está limpo, dê uma olhada neste”.

Nunca funcionava. Ela me levava para o quarto dela. Em se tratando de arrumar aposentos, minha mãe era justa. Seu armário era perfeito. Sua cama era perfeita. Seu banheiro era perfeito. Comparado ao dela, meu quarto era… bem, totalmente errado. Ela me mostrava seus aposentos e dizia: “É isto o que eu chamo de limpo”.

Deus faz o mesmo. Ele aponta para si mesmo e diz: “É isto o que eu chamo de retidão”.

Retidão é o que Deus é.

“…pela justiça do nosso Deus e salvador Jesus Cristo”(2 Pe 1:1).

“Deus é um juiz justo”(Sl 7:11).

“O Senhor é justo e ama a justiça”(Sl 11:7).

A Justiça de Deus “permanece para sempre”(Sl 112:3) e está muito alta”(Sl 71:19).

Isaías descreve Deus como “Deus justo e Salvador”(Is 45:21).

Na véspera de sua morte, Jesus começou sua oração com as palavras: “Pai justo”(Jo 17:25).

Chegou ao ponto? Deus é justo. Seus decretos são justos (Rm 2:5). Suas exigências são justas (Rm 8:4). Seus atos são justos (Dn 9:16). Daniel declarou: “Justo é o Senhor, nosso Deus, em todas as suas obras, que fez”(Dn 9:14).

Deus nunca é injusto. Ele nunca se entregou a uma decisão errada, experimentou a atitude errada, deu o passo errado, disse a coisa errada, ou agiu do modo errado. Ele nunca está atrasado ou adiantado demais, nunca é demasiadamente barulhento ou suave, rápido ou lento. Ele sempre esteve e sempre estará certo. Ele é reto.

Iria Deus, que é justo, passar a eternidade com aqueles que não o são? Iria Harvard admitir um aluno que parou na terceira série do fundamental? Se o fizesse, o gesto poderia ser benevolente, mas não seria justo. Se Deus aceitasse o injusto, o convite seria ainda mais amável, mas estaria ele sendo correto? Seria Ele justo por deixar passar nossos pecados? Baixar o seu padrão? Não. Ele não seria justo. E uma coisa que Deus é: : justo.

Ele afirmou a Isaías que a justiça seria o seu prumo, o padrão pelo qual a sua casa seria medida (Is 28:17). Se somos injustos, então seremos deixados na entrada, na porta. Ou, para usar a analogia de Paulo, “e todo o mundo seja condenável diante de Deus”(Rm 3:19). Então, o que vamos fazer?

Carregar um fardo de culpa? Muitos o fazem. Muitos mesmo.

E se a nossa bagagem espiritual fosse visível? Suponha que a bagagem de nosso coração fosse literalmente vista pelas ruas. Sabe o que veríamos? Mala de culpas. Bolsas estufadas com bebedeiras, explosões, e compromissos. Olhe à sua volta. O camarada com o terno cinza? Está arrastando uma década de pesares.O menino de calça jeans e argola no nariz? Daria qualquer coisa para retirar as palavras que disse à mãe. Mas não pode. Então ele as reboca adiante. A mulher num tailleur executivo? Parece que ela poderia concorrer a senadora. Ela preferiria correr por socorro, mas não pode correr por nada. Não arrastando aquela mala de remorso onde quer que vá.

Ouça . O peso do cansaço te abate. A autoconfiança te desencaminha. Os desapontamentos te desencorajam. A ansiedade te contamina. A culpa? A culpa te consome.

Então, o que fazemos? Nosso Deus é correto, e nós somos errados. Sua festa é para os inocentes, e estamos longe disso. O que fazemos?

Deus ouve o seu apelo. Foi, ao mesmo tempo, o momento mais belo e o mais horrível da história. Jesus de pé, no tribunal do céu. Passando a mão sobre toda a criação. Ele defendeu: “Puna a mim pelos erros deles. Vê o assassino? Dê-me a sua pena. A adúltera? Eu levarei a sua vergonha. O fanático, o mentiroso, o ladrão? Faça a mim o que farias a eles. Trate-me como tratarias um pecador.”

E Deus o fez. “Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus”( 1 Pe 3:18).

Sim, reto é o que Deus é, e, sim reto é o que nós não somos, e, sim, retidão é o que Deus requer. Mas, “agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus” (Rm 3:21).

Davi disse o mesmo desta forma: “Guia-me pelas veredas da justiça”(Sl 23:3).

A vereda da justiça é uma trilha estreita, sinuosa, subindo um monte íngreme. No cume do monte há uma cruz. Ao pé da cruz estão os fardos. Incontáveis fardos cheios de inumeráveis pecados. O calvário é um monte composto de culpas. Gostaria de levar a sua para lá também?

Sua contribuição: sua própria confissão.

Estaremos dizendo o mesmo por toda a eternidade…

(Extraído do livro “Aliviando a Bagagem” do Max Lucado)

Share
Postado por Agnes nas categorias reflexao em May 16th, 2012. 2 Comments.

Olhe para o futuro com fé.

Se formos sinceros, poderemos apontar coisas em nossas vidas hoje que ainda não são como Deus desejaria que fossem. Há ainda áreas para serem conquistadas. Deus deseja que nos tornemos mais parecidos com o Salvador. Quer arrancar coisas que impedem e mancham nossa semelhança com Cristo.Quer nos usar para abençoar e encorajar outras pessoas de uma maneira que nunca experimentamos ou mesmo pensamos.Deseja destruir os complexos e temores que nos paralisam. Deseja reavivar a abençoar nossas igrejas.

Ele fará essas coisas pessoalmente se vivermos nessa abençoada atmosfera da fé!

Entre as muitas definições de fé, talvez nenhuma seja mais sucinta ou importante que a de Hebreus 11:1 “Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos.”

Observe que a fé opera com dois objetivos especiais:

  • coisas futuras (“que esperamos”);

  • coisas invisíveis (“que não vemos”).

A fé não faz parte do presente. Ela não se refere a coisas que possamos captar com uma máquina fotográfica. Antes, diz respeito a coisas que Deus prometeu para o futuro – e a fé tem certeza delas. A fé produz uma convicção de que tais coisas vão acontecer, embora o método científico e nossos sentidos não possam no momento validar essa certeza.

A fé é a capacidade que tem o espírito humano de se abrir e receber as impressões divinas que nascem de sua Palavra e se tornam vivas pelo Espírito Santo. Isso produz uma convicção sobrenatural de certos fatos à parte dos sentidos.. Andrew Murray o expôs desta forma há mais de cem anos: “Exatamente como temos os sentidos, através dos quais mantemos comunicação com o universo físico, assim a fé é o sentido ou órgão espiritual por meio do qual a alma entra em contato com o mundo espiritual e é influenciada por ele.” Em outras palavras, exatamente como o nosso sentido da visão ou da audição fica dormente até ser despertado pela luz ou pelo som, nossa capacidade de ter fé fica adormecida até que nos abramos para a recepção das impressões do Deus eterno, invisível.

Então simplesmente sabemos que alguma coisa acontecerá, pois a Palavra de Deus recebeu e ativou esse sentido espiritual chamado fé. E assim garantimos nossa vida Nele. Se alguém diz: “veja”, não podemos, mas ainda assim sabemos que virá.

Foi o que Moisés experimentou há milhares de anos. “Pela fé saiu do Egito, não temendo a ira do rei, e perseverou, porque via aquele que é invisível”. Hebreus 11:27. Como você vê o invisível? Não com os olhos físicos, mas com olhos poderosos da fé.

Os sentidos – o tato, o paladar, o olfato, a visão e a audição – relacionam-se com o presente e com as coisas visíveis. Não podem captar nada do futuro. Em nada se relacionam com as realidades espirituais. Mas a fé diz respeito principalmente às coisas futuras e invisíveis que Deus nos tem prometido em sua Palavra. A fé as torna mais reais para nós que as manchetes do jornal de hoje. Esse outro tipo de “vista”é o que a fé realmente significa, como o apóstolo Paulo diz em 2 Coríntios 4:18 “Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno.”

A Fé pode ser comparada a um rádio transistor. Quando se liga o rádio, ouve-se a música. Existem trompetes ou guitarras dentro dessa caixinha? Claro que não. Mas o recinto tem ondas sonoras por toda parte. Os sentidos humanos não podem detectá-las. Mas o rádio pode. A música não está realmente no rádio. A música vem através do rádio de uma fonte invisível maior.

O mesmo acontece com a fé. A fé não se origina dentro de nós. Ela vem de Deus quando recebemos sua Palavra viva em nosso coração. Então uma espécie sobrenatural de “música”cria vida em nós como produto dessa fé. Uma pessoa cheia de fé tem uma visão das coisas totalmente diferente da de alguém que vive simplesmente pelos sentidos físicos.

Nosso olhar deve sempre ficar sobre Deus, porque ele é o único que realizará alguma coisa. Somente quando estamos olhando firmemente para Jesus, autor e consumador da nossa fé” (Hb 12:2), é que verdadeiramente andamos pela fé. Satanás deseja que focalizemos o problema, não o Provedor. Ele constantemente aponta para o que parece ser e não para o que Deus prometeu fazer. Se pararmos de dedicar tempo ao Senhor em oração, as preocupações do mundo físico arrebatarão nossa atenção e nos dominarão, enquanto os sentidos espirituais ficarão amortecidos e as promessas se desvanecerão.

Quando uma fé verdadeira em Deus aparece, surge uma certeza de que, se clamarmos, haverá resposta; se pedirmos, receberemos; se batermos, a porta se abrirá…e logo nos encontraremos passando muito tempo na presença desse Deus maravilhoso.

Preste atenção: estamos falando sobre algo mais do que simplesmente apresentar uma longa lista a Deus. A fé é especialmente nutrida com a simples permanência na Sua presença, quando reservamos tempo para amá-lo e para ouvir Sua voz. A força para continuar crendo com frequencia flui em nós quando simplesmente adoramos ao Senhor. As promessas das Escrituras tornam-se maravilhosamente vivas quando o Espírito se aplica ao nosso coração.

Que dificuldade você está enfrentando agora em sua vida e que não tem conseguido vencer? Fico imaginando o que Deus está querendo realizar em sua vida, em seu lar, em sua profissão, em seu trabalho para ele. Por que não enfrentar essa necessidade em nome de Jesus, aguardando com fé renovada no Senhor?

Antes, “sendo assim, aproximemo-nos de Deus com um coração sincero e com plena convicção de fé, tendo os corações aspergidos para nos purificar de uma consciência culpada, e tendo os nossos corpos lavados com água pura. Apeguemo-nos com firmeza à esperança que professamos, pois aquele que prometeu é fiel”(HB 10:22,23).No final, o que realmente importa: não são os nossos esforços ou votos, mas a verdade maravilhosa de que Deus é fiel.

Portanto , agora, o que vai nos acontecer? Vamos simplesmente nos animar por um momento ou vamos nos agarrar a Deus e a sua promessas de maneira nova, para transformar a nossa vida? Afinal, não é o que acontece externamente às pessoas que cria as tragédias na vida delas, e sim as oportunidades que perdem de receber ajuda de Deus, por causa da incredulidade. Essa é a verdadeira tragédia.

Deus não será amanhã diferente do que é hoje. Seu amor por nós é o mesmo. Seu poder de atender às nossas necessidades é imutável. Agora mesmo a mão dele está estendida enquanto diz: “Por que gastar dinheiro naquilo que não é pão, e o seu trabalho árduo naquilo que não satisfaz? (Is 55:2). Vamos parar de buscar inutilmente respostas fora de Deus. Em vez disso, vamos nos levantar com esperança no coração, lembrando que a “palavra da fé” poderosa não está longe nem é difícil, antes “está perto de você; está em sua boca e em seu coração”(Rm 10:8). Essa é a fé que não somente salva do pecado, mas também pode nos manter vitoriosos sobre cada obstáculo que a vida nos apresenta. Como diz a Escritura: “Todo o que Nele confia jamais será envergonhado”(Rm 10:11).

 Jim Cymbala, extraído do livro “Fé Renovada”

Share
Postado por Agnes nas categorias reflexao em May 13th, 2012. 1 Comment.

Como entender a Bíblia?

1 Coríntios 02:12 ao 03:03   “Nós, porém, não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito procedente de Deus, para que entendamos as coisas que Deus nos tem dado gratuitamente. Delas também falamos, não com palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas com palavras ensinadas pelo Espírito, interpretando verdades espirituais para os que são espirituais. Quem não tem o Espírito não aceita as coisas que vêm do Espírito de Deus, pois lhe são loucura; e não é capaz de entendê-las, porque elas são discernidas espiritualmente. Mas quem é espiritual discerne todas as coisas, e ele mesmo por ninguém é discernido; pois “quem conheceu a mente do Senhor para que possa instruí-lo? ” Nós, porém, temos a mente de Cristo.  Irmãos, não lhes pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a crianças em Cristo. Dei-lhes leite, e não alimento sólido, pois vocês não estavam em condições de recebê-lo. De fato, vocês ainda não estão em condições,porque ainda são carnais. Porque, visto que há inveja e divisão entre vocês, não estão sendo carnais e agindo como mundanos? ”

“Eu não consigo entender a Bíblia.” Isso é um comentário que ouvimos muitas vezes, até de cristãos. Podemos entender quando alguém que não conhece a  Cristo seja incapaz de compreender conceitos bíblicos, mas por que aqueles que o conhecem não conseguem entender as verdades da Palavra de Deus? Algumas pessoas pensam que uma educação em um  seminário seria a resposta, mas conhecemos vários pastores formados e professores que realmente não entendem a Palavra de Deus. Eles sabem os fatos, mas esses fatos não promoviam nenhum impacto com relação as Escrituras ou com o Senhor.

A chave não é educação, mas obediência. Como agirmos com relação ao  que lemos irá fazer com que  o Livro Sagrado  ”ganhe vida”, e vamos começar a ouvir e entender a voz de Deus. No entanto, se nós não temos obedecido o que Ele já  nos revelou , por que Ele nos dará Suas verdades mais profundas?”O segredo do Senhor é para aqueles que o temem” (Sl25:14), e aqueles que o temem são os que obedecem seus mandamentos, que já está prometido ”um bom entendimento” (Sl 111:10).

Viver uma vida carnal de desobediência  faz com que tenhamos  nuvens nos nossos olhos, diminuindo a nossa capacidade de ouvir, e nevoeiros em nosso pensamento. Embora tenhamos pleno acesso a mente de Cristo, nosso apego às nossas próprias maneira pecaminosa, nos impede de aproveitar os ricos tesouros de sabedoria que se encontram em Sua Palavra.

Ao lermos as Escrituras todos os dias, observando  as instruções de Deus, com confiança no Espírito Santo, nos comprometemos a fazer o que Ele nos disser.Quando  obedecemos a Sua voz, Ele vai revelar verdades mais profundas, e nossa compreensão irá crescendo gradativamente. Em breve o  tempo na Palavra se torna um momento de grande  prazer em vez de um dever.

Dr. Charles Stanley

Share
Postado por Agnes nas categorias reflexao em May 4th, 2012. No Comments.

Reino e Batismo extraído do livro “O Discípulo” de Juan Carlos Ortiz .

“Como sabemos, existem dois reis neste mundo, e cada um deles tem seus domínios. Nós nascemos no reino das trevas. Somos cidadãos naturais do reino do egoísmo. E neste reino todos seguem sua própria vontade. É deste modo que Satanás governa seu império, “segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos” (Efésios 2:3)

Nós vivíamos como desejávamos; fazíamos o que nos agradava. E isso não fazia a mínima diferença para nós. O reino das trevas é como um navio avariado que está afundando rapidamente. Quando o capitão da embarcação percebe que o navio está perdido, ele se dirige aos passageiros e diz o seguinte: “Os passageiros da segunda classe podem ir para primeira. Todos podem fazer o que quiserem. Quem quiser beber, pode se servir a vontade em nosso bar; é tudo de graça. Se quiserem jogar futebol no salão de refeições, podem, e se quebrarem as lâmpadas, não se preocupem.”

E os passageiros exclamam: “Que capitão maravilhoso, este nosso! Podemos fazer o que quisermos neste navio.” Mas acontece que dentro de alguns instantes todos estarão mortos. No reino das trevas, podemos gozar a vontade de todos os prazeres das drogas, lascívia e engano. Não obstante, estamos perdidos. Pensamos que somos reis, somos dominados pelo espírito de egoísmo e nosso reinado. Mas é apenas uma questão de tempo.

E o que é realmente a salvação? É o fato de que “ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor” (Colossenses 1:13) Isto não significa ficar totalmente liberto de domínio. É simplesmente mudar do domínio de Satanás para o de Jesus Cristo. Neste novo reino, não podemos fazer tudo que quisermos. Nele, somos parte do Reino de Deus. Ele é o Rei, Ele é quem governa. Nós vivemos de acordo com seus desejos e vontade. O testemunho daqueles que passaram da morte para a vida, que se mudaram de um reino para outro é o seguinte: “Antes de encontrar Jesus, eu dirigia minha própria vida. Mas depois que o conheci, é ele quem governa.”

Talvez alguns preferissem que não fôssemos tão incisivos. Eles pensam que existem três caminhos, e não dois, e vivem por essa idéia. Para eles, haveria o caminho largo, que é para os pecadores destinados ao inferno. O caminho estreito seria para os pastores e missionários. E este terceiro caminho — que não é nem muito largo nem muito estreito, é mediano. Este caminho mediano é uma invenção humana. A verdade é que ou nós estamos no reino das trevas fazendo o que é de nossa vontade, ou estamos no Reino de Deus fazendo a vontade dele. Não existe uma situação intermediária.

Em realidade, não é muito fácil mudar-se de um reino para outro. Não existem passaportes nem vistos. Somos escravos dos nossos próprios pecados. Nós não podemos simplesmente levantar e partir. Nenhum escravo pode fazer isto. O único modo de se libertar de um cativeiro é pela morte. Por que é que os cânticos dos escravos norte americanos falavam tanto a respeito do céu? É porque esta era sua única esperança de emancipação. Também nós, só podemos nos libertar do pecado, morrendo.

E ainda há um outro fator: o reino de Deus não aceita cidadãos naturalizados. O súdito tem que nascer neste reino.

Então como é que uma pessoa pode mudar sua cidadania do reino das trevas para o Reino de Deus? Jesus deu a solução. Sua morte na cruz e sua ressurreição significam isto: qualquer escravo que olhar para a cruz tem permissão para considerar a morte d’Ele como sua morte. Assim, o escravo morre e Satanás perde seu controle sobre ele.

Depois vem a ressurreição. Por ela somos transportados para o novo reino. Este fator é tão importante quanto a cruz. Morremos para um soberano e renascemos sob o domínio de outro. E é exatamente isso que o batismo enfoca, tal cerimônia não é uma criação nossa, nem dos apóstolos. O batismo é realizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Na verdade, a pessoa está sendo batizada por Deus, que, no ato, é representado por um homem. Na Argentina, alguns pastores recitam a seguinte fórmula batismal: “Eu o mato em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, para fazê-lo nascer de novo no Reino de Deus e para servi-lo e agrada-lo.” É bem diferente, mas funciona bem melhor.

Algumas pessoas pensam que a salvação vem através do batismo apenas; outros dizem que é somente pela fé. Mas os apóstolos disseram: “Arrependei-vos e sede batizados.” São as duas coisas. Eles não disseram: “Aquele que crer e for salvo, deve ser batizado alguns meses depois.” Eles afirmavam que o batismo tinha importância para salvação.

Qual é esta importância? É como uma nota de dinheiro. Ela tem dois valores. Um é o seu valor intrínseco — o valor do papel e da tinta, que não é muito grande. Com pouco dinheiro, poderemos comprar uma folha de papel maior do que o papel da nota; e comprar tinta em quantidade maior para fazer muitas notas. Mas existe um outro valor em uma nota de dinheiro: um valor diferente e bem maior — ela é endossada pelas reservas federais da nação. Se pegarmos aquele pedaço de papel e o levarmos ao mercado, eles nos darão muitas coisas em troca por esse papel.

Assim também é o batismo. A água e a cerimônia não são muita coisa. Mas tudo é endossado pelo que Cristo realizou na cruz e no túmulo. Portanto, o batismo tem um valor enorme. Ele diz à pessoa que está sendo batizada, que ela passou da morte para a vida. É por isso que ele precisa ser realizado na hora do passamento [na porta].

Esta idéia não foi criação minha. A igreja primitiva não batizava ninguém após o dia da sua conversão. Eles nem esperavam o culto noturno. Se uma pessoa era salva pela manhã, era batizada de manhã. Se ela era salva no meio da noite — como foi o caso do carcereiro de Filipos, narrado em Atos 16 — ele foi batizado no meio da noite.

Na Argentina, nós não damos a certeza de salvação a ninguém, enquanto não for batizado, não por causa do batismo em si, mas por uma questão de obediência. Se uma pessoa disser: “Eu creio!” mas não quer ser batizada, nós duvidamos de sua submissão a este novo Reino, pois a salvação consiste exatamente nisto: obediência. ”

Juan Carlos Ortiz, “O Discípulo”

Share
Postado por Agnes nas categorias biblia, reflexao em May 1st, 2012. No Comments.

O Grande Libertador!!!

Lucas 4:16-21   Ele foi a Nazaré, onde havia sido criado, e no dia de sábado entrou na sinagoga, como era seu costume. E levantou-se para ler. Foi-lhe entregue o livro do profeta Isaías. Abriu-o e encontrou o lugar onde está escrito: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres. Ele me enviou para proclamar liberdade aos presos e recuperação da vista aos cegos, para libertar os oprimidos e proclamar o ano da graça do Senhor”. Então ele fechou o livro, devolveu-o ao assistente e assentou-se. Na sinagoga todos tinham os olhos fitos nele; e ele começou a dizer-lhes: “Hoje se cumpriu a Escritura que vocês acabaram de ouvir”.
Quando olhamos para  algumas pessoas, até que parecem ser felizes, nâo é? Sorrisos, maquiagem, a roupa elegante podem criar uma aparência de paz interior. Internamente, porém, infelizmente estão em cativeiro. Jesus ensina: Ele veio para libertar os que estão em cativeiro. Cristo estava se referindo a vários tipos de situações que engessam nossas almas.
Primeiro, Jesus quebra as cadeias do pecado. Todas as pessoas têm quebrado a lei de Deus e, consequentemente, vivem separadas de Deus (Rom. 3:23). Mas a morte e a ressurreição de Cristo nos libertou, quando aceitamos Seu dom do perdão e colocamos a nossa confiança nEle. Então, podemos ter um relacionamento com o Senhor.
Em segundo lugar, Ele nos liberta de pecados persistentes como a inveja, gula, amargura e Seu Espírito reside dentro de cada cristão e fornece o poder para  superar as escolhas erradas que pareciam nos dominar. Ele nos capacita a fazer o que Ele deseja  trazendo a cura imediata ou dando orientação e força no dia a dia.
O Criador da humanidade nos fez com um vazio em nossos corações que só  Jesus pode preencher. Tudo o que tentamos colocar para preencher, no primeiro momento até pode parecer ser uma coisa boa . No entanto,  continuamos permanecendo em cativeiro até que Deus nos liberte e, em seguida, forneça a única satisfação verdadeira.
Você é uma daquelas pessoas que parecem felizes e parecem ter vida, mas na verdade, é só aparência? Você se  sente é desconfortável  e vazio por dentro?Jesus Cristo é o único que pode redimi-lo, perdoar seus pecados,e preencher o lugar vago na sua alma. Permita que Ele o liberte hoje.
Dr. Charles Stanley
Share
Postado por Agnes nas categorias reflexao em April 4th, 2012. 1 Comment.

Como posso ter uma grande fé?

Hebreus 11:17-19   “Pela fé Abraão, quando Deus o pôs à prova, ofereceu Isaque como sacrifício. Aquele que havia recebido as promessas estava a ponto de sacrificar o seu único filho, embora Deus lhe tivesse dito: “Por meio de Isaque a sua descendência será considerada”.Abraão levou em conta que Deus pode ressuscitar os mortos; e, figuradamente, recebeu Isaque de volta dentre os mortos. ”
Algumas pessoas  dizem: “Como eu gostaria de acreditar, de  ter uma fé maior, grande, mas eu não consigo….”  Gostaríamos muito que Deus nos desse  esse tipo de confiança, sem precisarmos fazer nada, do nada apareceria essa grande fé. Sinto muito, mas  não é essa a maneira como Ele opera. A fé é aumentada, como resultado de nossa obediencia nas pequenas coisas.
Nos maravilhamos com a disposição de Abraão em oferecer Isaac por ordem do Senhor. Mas  já paramos para pensar em  todos os pequenos passos em que ele teve que caminhar até chegar  a este teste enorme? Ao longo de sua vida, Abraão obedeceu a Deus. À ordem do Senhor, deixou o seu país (Gn 12:1-4), foi circuncidado (17:10, 26), concebeu Isaac na sua velhice(21:1-3), e enviou seu filho Ismael embora (21 :9-14). No momento em que recebeu a ordem  de oferecer Isaac como sacrifício, ele já sabia que o seu Deus seria sempre fiel às Suas promessas. Suas experiências anteriores lhe tinha ensinado a confiar no Senhor.
Da mesma forma, cada pequeno passo de obediência solidifica a nossa confiança em Deus. Quando somos  desafiados para uma tarefa mais difícil, uma base sólida de segurança é que vai nos permite confiar Nele. Grandes atos de fé são fruto de  experiências  anteriores com o Senhor. Ao negligenciarmos suas ordens simples, perdemos oportunidades inestimáveis ​​de testemunhar sua fidelidade.
Você tem dificuldade em confiar em Deus para algo grande? Talvez seja porque você ignorou  “pequenos” e “insignificantes” sussurros do Espírito Santo. O Senhor considera cada um de Seus comandos importantes e promete recompensar cada ato de obediência,independentemente do tamanho. Grande fé começa com pequenos passos.
Dr. Charles Stanley
Share
Postado por Agnes nas categorias reflexao em April 3rd, 2012. No Comments.

O que significa ser salvo?

Salmo 25:12   “Quem é o homem que teme o Senhor? Ele o instruirá no caminho que deve seguir.”
Como uma pessoa pode ser aceita por  Deus? O caminho para a salvação não começa com a decisão de viver uma vida melhor ou  parar de fazer algo errado, mas com a percepção de que não podemos corrigir a nossa natureza pecaminosa. Para agradar ao Senhor, devemos compreender que é impossível sermos justos, em vez disso, precisamos depender do sacrifício que Jesus fez em nosso nome. Quando  confiamos em Cristo como nosso Salvador, Deus, o Pai  aplica o benefício do sacrifício expiatório de Jesus para quitar a nossa dívida do pecado, tornando-nos ”salvos”, ou aceitável aos Seus olhos.
As nossas boas obras e atos de justiça são de absolutamente nenhum valor na mente de Deus.Comparando com as ações dos outros, podemos nos achar generosos e que  as boas obras que fazemos seriam suficientes para agradar  ao Senhor, mas Jesus disse: “Não como resultado de obras, para que ninguém se glorie” (Ef 2:9). Quando  estiver perante Deus, saiba que  a única maneira que podemos ser perdoados de nossos pecados é através de Jesus Cristo e de Seu sacrifício, morte  substitutiva no Calvário. Jesus veio para dar sua vida em resgate por muitos (Marcos 10:45).
Crucificação pública de Jesus foi uma demonstração do ódio de Deus pelo pecado e um imenso amor pela humanidade. Aquele que foi irrepreensível, suportou a pena por todos a fim de que maus, corruptos poderiam ser feitos justos.
Não importa o que você fez, você pode ser purificado da mancha deixada pelo pecado. Confesse quaisquer transgressão conhecida e Jesus vai te perdoar e escrever seu nome no Livro do Cordeiro da Vida (1 João 1:9; Rev. 21:27). Ao confiar Nele,você tem a certeza da eternidade em Sua presença.
Dr. Charles Stanley
Share
Postado por Agnes nas categorias reflexao em March 30th, 2012. No Comments.

A Cruz de Cristo!

Romanos 3:20-26   “Portanto, ninguém será declarado justo diante dele baseando-se na obediência à lei, pois é mediante a lei que nos tornamos plenamente conscientes do pecado.Mas agora se manifestou uma justiça que provém de Deus, independente da lei, da qual testemunham a Lei e os Profetas,justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo para todos os que crêem. Não há distinção,pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus,sendo justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus.Deus o ofereceu como sacrifício para propiciação mediante a fé, pelo seu sangue, demonstrando a sua justiça. Em sua tolerância, havia deixado impunes os pecados anteriormente cometidos;mas, no presente, demonstrou a sua justiça, a fim de ser justo e justificador daquele que tem fé em Jesus. ”
Como cristãos, sabemos que Jesus morreu na cruz pelos nossos pecados. Mas por que Jesus teve de suportar uma morte tão horrível? Ele não poderia ter a humanidade redimida de alguma maneira mais fácil?
Para responder a esta pergunta, devemos primeiramente considerar a justiça de Deus. Porque Ele é santo, ninguém jamais o viu e viveu. Nossa natureza pecaminosa não pode existir na presença da santidade pura. A Bíblia nos diz que “todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus” (Rom. 3:23), e sabemos que ”o salário do pecado é a morte” (6:23). Essa realidade nos deixa em uma condição perdida, eternamente separados de Deus.
Quando o pecado entrou no mundo, Adão e Eva caíram no estado de mortalidade. Suas transgressões criaram uma barreira entre eles e o Senhor, resultando na depravação  da humanidade, na rebeldia  e em inimigo natural de Deus. Nossa natureza pecaminosa não pode redimir-se, mas  teve que ser resgatada por algo maior e mais puro. Um sacrifício era necessário - que fosse impecável e sem defeito.
Nosso Pai celestial nos criou para si mesmo - para darmos a Ele a glória que Lhe é devida e passar a eternidade com Ele (1 Tm 2:4.) -Ele forneceu a única oferta poderosa o suficiente para reverter os efeitos do pecado e restaurar-nos ao nosso propósito original .
Quando Jesus morreu na cruz, Ele pagou o preço por todos os pecados, começando com Adão e que abrange a todos e em todos os tempos.
Seu amor incrível e misericordioso se aplica a você também (Ef 1:5-6). Ele o selou com o Espírito Santo (4:30), o tornou  filho , salvo pela graça por toda a eternidade.
Dr. Charles Stanley
Share
Postado por Agnes nas categorias reflexao em March 29th, 2012. No Comments.