O Gigante chamado Raiva – parte 1

1. A raiva é uma emoção. Podemos manejá-la da forma correta ou  da forma errada. Tristemente, podemos até dizer, que ela tem arruinado vidas e relacionamentos.

Efésios 4:26, 27     “Quando vocês ficarem irados, não pequem”. Apazigüem a sua ira antes que o sol se ponha, e não dêem lugar ao diabo.” 
Colossenses 3:13   “Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou.” 
1 Timóteo 2:08    ”Quero, pois, que os homens orem em todo lugar, levantando mãos santas, sem ira e sem discussões. “
Tiago 1:20   “Pois a ira do homem não produz a justiça de Deus. ”

Basta vermos as pessoas no trânsito para podermos perceber a agressividade e a  raiva gratuita que ocorrem muitas vezes por nada.A raiva é uma emoção normal , sendo uma energia que nos faz partir para a ação, mas pode ser muito perigosa. Muita coisa ruim ocorre por causa do acúmulo de raiva. O cristão não pode reagir como o mundo, através do Espírito Santo  de Deus esse gigante pode ser vencido.

A ira , a raiva por uma injustiça cometida é uma emoção saudável e até necessária para que medidas sejam tomadas para a correção, mas não podemos  deixar que nos domine, temos que agir segundo a Palavra de Deus,  não respondendo e agindo levados pela emoção natural e corrompida.

A raiva é uma resposta ou reação que pode ser por um motivo real ou por percepção: Pode ocorrer devido a:

  • Obstáculos. Quando tem um obstáculo a ser enfrentado, uma opinião diferente, o que sente? Quando uma pessoa está dirigindo o carro na sua frente  devagar e você está com pressa, o que sente?
  • Dores. Sofrimentos anteriores afloram a reação agressiva.
  • Expectativas não cumpridas. Expectativas que ocorreram que não eram reais ou reais que não ocorrem.
  • Perdas. Perda de alguém que ama, divórcio, perda de trabalho acarretam frustrações.
  • Injustiça. Quando somos injustiçados ou vemos alguém sofrer injustiça.
  • Controle. Quando queremos manter pessoas e situações sob controle e não conseguimos. Pode acontecer no casamento, dando lugar a agressividade.
  • Orgulho. O orgulho traz feridas. Achamos que não fomos tratados como merecemos. O centro do orgulho é o “EU”.
  • Ameaça. Responde explosivamente sem pensar ou analisar. Se defende agressivamente.
  • Hábitos e temperamentos. Se justifica dizendo que é a personalidade. A resposta é sempre a mesma. não podemos ter só uma resposta diante de situações adversas.

2. A raiva traz péssimos resultados. Até termos consciência do mau que nos traz a raiva por dentro, não iremos direcioná-la para  o caminho correto. São eles:

  • Consome nossa atenção. E toda nossa energia. Nos destrói fisiológicamente dependendo da intensidade. Levando a impulsos que podem destruir.
  • Destrói a nossa saúde. Até nosso rosto se transforma quando estamos com raiva. Seria o mesmo que tentar afundar uma bola. Muita energia gasta com pouco resultado.
  • Enfraquece a nossa imunidade. 
  • Confunde nosso julgamento. Fica sujeito a influências.
  • Stress. Não necesssitamos de mais stress na vida.
  • Diminui a capacidade de tomada de decisão. 
  • Danifica ou destrói nossos relacionamentos. Abre espaço para atividades satânicas. Se sabemos que determinada pessoa é ladra e assassina não a convidamos para nossa casa. Como então permitimos Satanás na nossa casa? Ele é ladrão e assassino.
  • Leva a opressão espiritual. 
  • Leva a explosão ou implosão. Se acumular um certo nível de raiva fatalmente essas duas coisas ocorrerão.

3. A Raiva cresce dependendo do que se pensa e/ou fala. Pode-se tornar um monstro na nossa vida.

  • Quanto mais você “pensa”,  ”mais irado” você se torna.
  • Quanto mais você “murmura”,  ”mais irado” você se torna.

Tudo o que você alimenta, cresce! Pequeninas coisas podem se transformar em montanhas e grandes gigantes

dependendo da forma com que são alimentadas. Cuidado com a lingua que inflama a raiva.

Marcos 6:19 (NVI) Então Herodias cuidou rancor contra João e queria matá-lo.

Pastor Dale

Share
Posted in biblia, estudo by agnes at May 7th, 2013.
Tags: ,